Pé Diabético

Como Tratar e Prevenir as Complicações do Pé Diabético?

A lesão nos nervos e a alteração da circulação sanguínea no pé são as principais complicações de um pé diabético. Resultando na formação de feridas e paralisia da musculatura. Em alguns casos pode ocorrer a morte do tecido ao redor da ferida e se faz necessário a amputação de dedos ou do pé.

Com base em um método exclusivo e não invasivo, desenvolvido pelo próprio terapeuta neuromuscular, Horst Ulrich Gutbrod, o paciente passará por uma avaliação do estado físico e emocional, após a análise inicia-se o tratamento, que pode durar de seis a dez sessões.

Já na primeira sessão você notará uma melhora do estado clínico nos dedos e nos pés.

O foco do tratamento, além de proporcionar a melhora do pé diabético, é ativar os poderes de autocura no ser humano e prevenir danos futuros.

Efeitos do tratamento:
Melhora da circulação sanguínea com a dilatação dos vasos sanguíneos do pé e dos dedos;
Cicatrização acelerada (evitando trombose e amputação);
Retorno do movimento e controle dos dedos;
Regeneração da pele do pé;
Retorno da coloração das unhas dos dedos;
Melhora da coordenação neuromuscular;
Eliminação das paralisias da musculatura do pé;
Correção da pisada, evitando quedas.