Neuropatia

A neuropatia ou distúrbio neurológico é um termo que se refere aos problemas e/ou doenças dos nervos. Podem ser comprometidos por problemas genéticos, infecções, toxinas, drogas, lesões físicas ou mesmo por reações do próprio organismo. Neuropatias são classificadas de acordo com a causa e localização dos nervos que são afetados ou pelas características da lesão.

Tipo de neuropatia:
Central: afeta o sistema nervoso central, ou seja, encéfalo ou medula espinhal;
Periférica: afeta o sistema nervoso periférico, como nervos de braços e pernas;
Autonômica: afeta o sistema nervoso autônomo, responsável pelo controle dos órgãos como coração, pulmões, intestino, bexiga ou genitais.

Dependendo da intensidade e amplitude:
Mononeuropatia: quando afeta apenas um nervo – Exemplo: nervo carpiano, o nervo cubital ou nervo radial;
Polineuropatia: quando afeta vários nervos no mesmo local – Exemplo: paralisia de um braço todo;
Mononeurite Múltipla: quando afeta nervos em diferentes locais – Exemplo: paralisia de um nervo no braço e outro na perna;
Polineurite Múltipla: quando afeta vários nervos em locais diferentes, geralmente causado por uma doença sistêmica que degenera os nervos ou as células gliais.

Dependendo da intensidade e amplitude:
Motora: causam problemas no controle dos movimentos voluntários;
Sensitiva: causa problema na percepção de toque, pressão, temperatura, dor e vibrações;
Vegetativos: causam problemas no controle dos órgãos inconscientes autônomos como batimento cardíaco, peristaltismo e respiração.

A neuropatia corresponde a um quadro de lesões nos nervos motores, sensoriais e/ou autônomos, afetando diferentes fibras nervosas. Muito mais comum em pessoas com diabetes. E por ser um efeito colateral da quimioterapia e da radioterapia, muitas vezes persiste mesmo após o fim do tratamento.

Neuropatia periférica é a mais comum. Ocorre em casos de lesão no sistema nervoso periférico, como nos nervos dos braços e das pernas.

É uma patologia que atinge cerca de 8% da população mundial, mas pode ultrapassar os 50% quando em idosos, diabéticos e alcoólatras.

Após muitos anos de estudo, o terapeuta neuromuscular Horst Ulrich Gutbrod desenvolveu um método exclusivo e não invasivo, que não há aplicação de medicamentos e nem procedimentos cirúrgicos. Que pode durar de seis a dez sessões. O tratamento é iniciado após uma avaliação completa do estado físico e emocional do paciente.

Já na primeira sessão você consegue notar uma melhora significativa do estado clínico das áreas tratadas.

Efeitos do tratamento:
Diminuição dos espasmos musculares;
Eliminação da hipersensibilidade a estímulos;
Término das queimações e dos formigamentos na pele;
Fim dos distúrbios sensoriais;
Retorno da sensibilidade com a recuperação do sentido de frio e calor;
Recuperação da condutividade dos nervos;
Reconquista do controle de movimentos;
Melhora da coordenação neuromuscular;
Extinção das paralisias da musculatura.